Trabalho corporal do profissional na Fisioterapia na Neurologia










A gente já sabe que o cérebro é o que regula o comportamento motor. Diante isso, temos os pacientes neurológicos com alto índice de dependência, devido ao comprometimento na sua cinesia-humana.

Desta forma, acaba exigindo do profissional fisioterapeuta um maior condicionamento físico, pois este irá impor ao seu organismo posturas, sobrecargas, tensões e estresse, durante todo o atendimento.

O desgaste inerente à tarefa dos profissionais da saúde tem sido motivo de preocupação e de pesquisas há mais de duas décadas, e esta questão tem-se tornado cada vez mais relevante, principalmente pelo grau de importância da função social que estes profissionais exercem em suas comunidades.

Pode-se observar, na prática diária do processo de reabilitação física Neurológica, que estas características adotadas tendem a ser mais intensas do que em qualquer outra área de atendimento fisioterápico, uma vez que se trata de pacientes parcialmente e ou totalmente dependentes, que apresentam distúrbios como:

* Falta de controle postural e equilíbrio;
* Reflexos anormais;
* Déficits de programação motora;
* Disfunção cognitiva;
* Diminuição de propriocepção;
* Diminuição de flexibilidade;
* Disfunção da regulação tônica;
* Disfunção do trofísmo;
* Acinesia, ente outras alterações fisiológicas.

Devido a essas alterações fisiológicas, o Fisioterapeuta necessita realizar um esforço físico maior ao executar o tratamento, sendo que este é composto por:

* Exercícios passivos, ativos, ativos- resistidos e ativos-assistidos;
* Métodos específicos como: Bobath, Frenkel, Kabat, equoterapia e hidroterapia, entre outras técnicas em que o Fisioterapeuta deve quase sempre atuar de forma intensa.

É importante lembrar que estas técnicas são realizadas com o paciente na altura do solo, sobre colchonetes, tatames ou bolas. Isto exige que o Fisioterapeuta realize excessivamente os movimentos de flexão e extensão de tronco em oposição à força gravitacional.

Nesta circunstância, os profissionais que atuam nesta área estão mais propícios a desenvolver quadros sintomatológicos, sendo necessário adotar um programa de prevenção para que minimize o aparecimento de algias.  Estes programas incluem alongamento, exercícios de fortalecimento e outros, visando um melhor condicionamento físico. Além disso, promovem adaptações fisiológicas, físicas e psíquicas por meio de exercícios adequados ao ambiente de trabalho.

Isto possibilita uma melhora no desempenho laboral do profissional, diminuindo a possibilidade de adquirir algumas patologias provenientes do trabalho realizado durante seu atendimento em Fisioterapia Neurológica.

  • EBOOK GRATUITO: Carreira em Fisioterapia Neurofuncional

  • Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Exercícios Físicos no Controle da Dor
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.