Aplicação da neuroplasticidade em pacientes pós-AVE


>




O acidente vascular encefálico (AVE) gera um impacto nas estruturas e funções do corpo, prejudicando a independência funcional dos indivíduos afetados. Novas abordagens conceituais têm permitido uma nova visão do sistema nervoso como um órgão dinâmico, constituindo uma unidade funcional com o corpo, o ambiente e características plásticas, através do exercício funcional em diferentes contextos.

Em um estudo onde o objetivo foi verificar a dinâmica da reorganização do sistema nervoso central após a aplicação de técnicas de Fisioterapia Neurológica, particularmente, Terapia de Restrição e Indução do Movimento, Observação de Ação e Prática Mental destinadas à recuperação funcional de sujeitos com membros superiores hemiparéticos pós-AVE por meio de estudos que utilizaram imagens de ressonância magnética funcional.

Conforme observado nos estudos selecionados, os resultados referentes à ativação cerebral mostraram-se inconsistentes. Portanto, conclui-se que o cérebro encontra diferentes vias para sua reorganização. Este fato deve-se possivelmente as diferentes áreas lesionadas e também devido às diferentes características de cada técnica de reabilitação utilizada nos estudos.

De acordo com a pesquisa realizada, foi possível verificar ativações ipsilateral ou contralateral à lesão, ativações bilaterais, bem como ativações em torno da área lesionada. Em um estudo de revisão abordando os mecanismos de reorganização cerebral pós-AVE através da RMF, demonstrando que durante o movimento da mão afetada ocorre geralmente um aumento na ativação dentro do córtex motor primário no lado lesado, córtex dorsal pré-motor, e da área motora suplementar, em paralelo à melhora na funcionalidade.

Estudos apontam para a relevância do papel do córtex motor primário na recuperação funcional. O mesmo lado do córtex motor primário intacto com projeções ao córtex ipsilateral contribuem para tal recuperação. Uma explanação é que a interrupção das projeções de M1 para o cordão espinhal motor conduz ao recrutamento aumentado de áreas secundárias motoras com suas próprias projeções para o cordão espinhal motor dos neurônios.

Essas projeções secundárias ao cordão espinal são menos numerosas e menos excitatórias que para M1 e, portanto, apresentam recuperação inferior nos pacientes que dependem dessas regiões para gerar a saída motora. Em recente estudo clínico foram observadas evidências de que a ativação no hemisfério contralateral é alta durante o movimento da mão afetada no estágio subagudo após o AVE, declina com o passar do tempo e restam algumas extensões por anos após o AVE.

Os resultados são limitados se realmente as regiões secundárias são relevantes na recuperação, mas o recrutamento e a adaptação de áreas motoras secundárias sobreviventes em ambos os hemisférios podem ajudar pacientes a conseguirem melhores resultados. Trabalho recente relata que é complexo traçar-se estratégias eficazes após um AVE devido aos diversos fatores que influenciam na manifestação da lesão e na própria recuperação.

A associação de técnicas de alta resolução espacial, como a RMF, com exames de alta resolução temporal, como os potenciais evocados somatossensoriais, têm demonstrado que a limitações destas técnicas podem ser sanadas justamente por estas interações. Estudo atual mostra que, com esta associação de técnicas, mesmo em modelos animais, pode-se observar durante a recuperação de lesão induzida um acoplamento de áreas corticais e estado neurovascular indicativo de recuperação. Estes achados podem facilitar os entendimentos futuros sobre atividades simultâneas no córtex (possível acoplamento de fases elétricas) e sobre os processos de neovascularização encefálica.

Com a modernidade dos equipamentos de imagem, como a RMF, e a observação dos estudos pesquisados quanto às mudanças na ativação cerebral, os resultados mostraram-se inconsistentes, talvez por diferentes características entre os pacientes (local e extensão da lesão, estágio pós-AVE, terapia realizada e graus de recuperação). Possivelmente o cérebro encontra diferentes vias para uma reorganização, dependendo da área lesionada e das abordagens terapêuticas utilizadas.

Embora se tenham verificado mudanças funcionais no membro superior e plasticidade cerebral em diferentes pacientes e abordagens, ainda não foi encontrada a melhor técnica e forma de reabilitação para o membro superior. Dessa maneira, os resultados não podem ser generalizados devido às diferentes características dos pacientes e ao pequeno número de indivíduos em cada estudo. Sugere-se, então, que sejam realizados mais estudos associando técnicas de fisioterapia neurológica a imagens de ressonância magnética funcional, pois os resultados indicam que a experiência comportamental após lesão é o principal modulador das mudanças neurofisiológicas e neuroanatômicas.

Sendo assim, nosso estudo tem como limitação o pequeno número de pesquisas associando imagens de ressonância e possíveis alterações plásticas corticais induzidas pelas técnicas da fisioterapia neurológica. Mesmo assim, parece evidente que estas técnicas geram alterações plásticas de forma associada às melhoras nos padrões motores.

Fonte
  • Kit 3 em 1: ebooks de fisioterapia hospitalar, testes ortopédicos e exercícios funcionais por R$ 39,90
  • Cursos e Ebooks de Fisioterapia
  • Drive Virtual com artigos Científicos

  • Aplicação da neuroplasticidade em pacientes pós-AVE Aplicação da neuroplasticidade em pacientes pós-AVE Revisado by Faça Fisioterapia on 10:00 Nota: 5