Avaliação Neuro-Funcional Infantil









Atualmente existem muitos métodos de avaliação, desde escalas de avaliação específicas para o tipo de população aplicada, observação, confiabilidade, pontuação, até protocolos de avaliação que variam conforme a patologia em questão. Optou-se por discutir neste capítulo, a Avaliação Neurofuncional na Infância e a Avaliação Neuromotora do Lactente, que são descritas com maior freqüência na literatura.

Há alguns anos atrás, a avaliação do terapeuta se confundia com a do neurologista e por esse motivo não fornecia todos os dados que deveriam nortear o planejamento terapêutico. A partir da evolução das teorias neurofisiológicas e especialmente das teorias sobre controle motor, a abordagem terapêutica tomou novos rumos e como conseqüência, o processo de avaliação passou a ter um outro enfoque (SHUMWAY-COOK & WOOLLACOTT, 2003).

As propostas terapêuticas aplicadas até a década de 90 eram vistas como uma seqüência de exercícios de difícil aplicabilidade nas atividades de vida diária (AVDs), não contribuindo desta maneira, para o processo de aprendizagem e memória (BLY,1996).

Atualmente, o paciente é abordado sob o aspecto funcional, e para isso, considera-se além da plasticidade do sistema nervoso, a plasticidade do sistema músculo esquelético, os sistemas sensoriais e de autoregulação, a motivação e o ambiente (COHEN, 2001).
Devido a essa nova proposta terapêutica, houve a necessidade de reformular o processo de avaliação para que pudesse oferecer os subsídios necessários para a abordagem funcional.

A partir desse momento, passou-se a denominar a avaliação fisioterapêutica de Avaliação Neurofuncional, que aborda as manifestações sensório-motoras e cognitivas como conseqüência de um evento neurológico, interferindo na realização das tarefas
funcionais. Nesse contexto é possível afirmar que a atuação do fisioterapeuta que trabalha com pacientes neurológicos deve ser focada nas manifestações e seqüelas neurofuncionais, e não apenas na doença neurológica. Através da análise de tarefas motoras funcionais é possível identificar os problemas que estão interferindo na sua realização, como por exemplo, a diminuição da força e mobilidade, o aumento de tônus e a falta de graduação de movimento. A partir disso, deve-se elaborar um programa terapêutico voltado para as reais necessidades do paciente (DAUT, 2003).

A Avaliação Neurofuncional destina-se à coleta de dados necessários para auxiliar o diagnóstico e estabelecer as hipóteses disfuncionais, baseados na integração dos sistemas motores, somatossensitivo e cognitivo, incluindo aspectos emocionais (UMPHRED, 1994). Além disso, pode revelar a evolução maturacional do sistema nervoso, indicar possíveis regressões ou estacionamento do desenvolvimento neuro-psico-motor, avaliar o comportamento e a capacidade de interação do indivíduo com o meio ambiente (LEFÈVRE, 1990).

A anamnese em neurologia infantil é fundamental para a elaboração do diagnóstico disfuncional, objetivo e conduta de tratamento.
Na Avaliação Neurofuncional, a anamnese é importante para conhecer a rotina da criança e da família, conhecer como se deu o seu desenvolvimento, identificar o nível de dependência, os fatores que podem interferir no tratamento e as barreiras sociais que podem limitar a conduta terapêutica (RATLIFE, 2000). Porém, as informações colhidas na anamnese podem ser incompletas e, portanto não confiáveis. Isso ocorre devido ao envolvimento de fatores emocionais e sócio-culturais da família, que conseqüentemente
omite ou torna irrelevantes as informações que seriam essenciais (LEFÈVRE, 1990).

Antes de iniciar a anamnese propriamente dita, deve-se sugerir uma brincadeira à criança, geralmente no chão, para oferecer maior liberdade de movimento. Nesse momento, o terapeuta deve observar o movimento espontâneo da criança, as habilidades, as dificuldades, o conhecimento das cores, formas, tamanhos e espaço (UMPHRED,1994). No caso de um paciente grave, solicitamos que a mãe ou cuidador, fique com a criança no colo, possibilitando que ela realize alguma atividade de acordo com a sua capacidade. Observaremos então, a interação dos pais com a criança e se existe uma dependência emocional da criança em relação aos pais e vice-versa.

Esses itens são observados durante toda anamnese, na presença dos pais. Assim, a criança tem mais tempo para adaptar-se ao novo ambiente e mostrará um comportamento mais próximo da sua realidade (LEVITT, 2001).

Uma anamnese bem feita nos conduzirá a conclusões corretas e ajudará na elaboração dos objetivos e programa de tratamento satisfatório. Além disso, através da anamnese, vamos prever o que podemos esperar em termos de colaboração da família, já que a interação dos pais ou cuidadores é essencial para o processamento da aprendizagem e memória, uma vez que favorece a aplicação das orientações terapêuticas nas atividades de vida diária (AVDs), contribuindo conseqüentemente para o processo de inclusão social, além de esclarecer qual é o potencial e as dificuldades da criança devido à patologia de base (COHEN,2001).


Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Exercícios Físicos no Controle da Dor
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.