w Uso de pesos para tremor, resistências manuais, estabilizações rítmicas, equoterapia e bola suíça. w “expor o paciente a posições cad...

Tratamento fisioterapêutico para ataxia


w Uso de pesos para tremor, resistências manuais, estabilizações rítmicas, equoterapia e bola suíça. w “expor o paciente a posições cada vez mais instáveis do corpo, a fim de facilitar a redistribuição e o recrutamento das capacidades de controle. As ajudas na postura e na marcha aliviam só momentaneamente os problemas de equilíbrio do paciente, mas quando usados continuamente irão piorar os sintomas” (Brandt et al., 1981). Exercícios de Frenkel w Desenvolvidos em 1889 para o tratamento dos pacientes com ataxia. w Exercícios de extrema simplicidade: substituição da perda da sensibilidade através do uso da visão e da audição. w Exigem um grau elevado de concentração mental, controle visual dos movimentos e também, várias repetições Recomendações para a realização dos exercícios a) Os exercícios para a coordenação e não para o fortalecimento muscular. b) Os exercícios comandados e contados em voz alta, em tom constante e lento ou ao ritmo de uma música. c) Os exercícios devem ser feitos dentro do alcance normal dos movimentos. d) Primeiro os exercícios mais simples depois prosseguir para os mais difíceis Exercícios em decúbito dorsal 1. Flexão completa da articulação coxo-femural e do joelho, mantendo o pé apoiado sobre uma base e voltar à PI. 2. Flexão total do quadril e do joelho, fará também a abdução e adução da perna flexionada. Voltar à posição inicial. 3. Fazer abdução e adução da articulação coxo-femural com os joelhos estendidos. 4. Tocar o meio da tíbia com o calcanhar. Voltar à posição inicial. 5. Tocar o joelho com o calcanhar e ir deslizando até chegar ao tornozelo. Voltar à posição inicial. 6. O fisioterapeuta toca vários pontos da perna do paciente, alternadamente. Ele deve acompanhar tocando os mesmos locais com o calcanhar da outra perna. 7. Uma perna faz flexão do joelho e coxo-femural, a outra irá fazer a abdução da articulação coxo-femural, com o joelho em extensão. No movimento de volta, enquanto a perna flexionada faz a extensão, a outra estendida irá fazer a adução. Exercícios em posição sentada 1. O paciente deve levantar o joelho e tocar o calcanhar em uma barra. 2. O paciente irá fazer abdução e adução da articulação coxo-femural. 3. O paciente deve arrastar o pé sobre uma marca de cruz feita no chão 4. O paciente deve tocar com a ponta do pé alguns pontos marcados no chão. 5. Treino para levantar da cadeira: – a) O paciente dobra os joelhos e puxa os pés para baixo da cadeira. – b) Inclinar o tronco para frente. – c) O paciente levanta-se, endireitando os quadris, estendendo os joelhos e o tronco. Exercícios em pé 1. Andar de lado, com passos pequenos, depois médios e finalmente, largos passos. 2. Andar para frente. 3. Andar para trás. 4. Marcha nos calcanhares. 5. Andar sobre marcas feitas no chão. 6. Dar voltas: o paciente dá voltas sobre seu próprio eixo, ou realiza a marcha em ziguezague. 7. Subir e descer escadas. Colocar o pé direito em um degrau e depois, o esquerdo, no mesmo degrau

Vários males atingem os idosos. A incidência de doenças da terceira idade vem aumentando progressivamente nas últimas décadas, devido à mai...

Doenças Neurológicas em Idosos


Vários males atingem os idosos. A incidência de doenças da terceira idade vem aumentando progressivamente nas últimas décadas, devido à maior longevidade. Os mecanismos das doenças estão ligados ao próprio envelhecimento do organismo. Assim, a aterosclerose (endurecimento das artérias) atinge não só os vasos do coração como os de todo o corpo, inclusive do cérebro. Daí se originam os acidentes vasculares ou derrames, como são comumente conhecidos. As degenerações celulares atingem o neurônio ou célula nervosa, dando lugar a males como o de Alzheimer e o de Parkinson. Alguns sintomas, embora também surjam em idades mais precoces, alcançam maior prevalência entre os idosos, como os tremores. As epilepsias podem também acometer a terceira idade, neste caso decorrentes de lesões vasculares cerebrais. As neuropatias ou doenças dos nervos periféricos também têm expressividade nesta faixa etária. Transtornos da marcha, da visão, da audição e do equilíbrio contribuem para aumentar a incidência de quedas no idoso. Prevenção A dieta pobre em gorduras, o fato de não fumar, o beber com moderação, os exercícios físicos, as caminhadas, todas são maneiras de retardar o endurecimento dos vasos e, consequentemente, de evitar o derrame. Quanto à doença de Parkinson, não se conhece maneira de evitá-la, mas, uma vez manifestada, pode ser tratada com medicamentos e com atividades físicas várias, como dança e hidroginástica. No caso da doença de Alzheimer, a estimulação das atividades cognitivas, como a leitura, a solução de palavras cruzadas, a participação de grupos de terceira idade são formas de retardar as perdas. O tratamento da doença de Alzheimer tem ganho recentemente novos recursos sob forma de medicamentos como o donepezil, a galantamina, a memantina e a rivastigmina. No particular do cuidado aos idosos, deve receber especial atenção e destaque a figura do cuidador, que convive dia a dia com a pessoa afetada por esses males e que conhece de maneira detalhada o comportamento do seu paciente

Existem diversas patologias de origem neurológica que desencadeiam sérias alterações no organismo; como é o caso do Acidente Vascular Enc...

Doenças neurológicas e a importância da fisioterapia


Existem diversas patologias de origem neurológica que desencadeiam sérias alterações no organismo; como é o caso do Acidente Vascular Encefálico (Derrame ou AVC), do Parkinson, da Síndrome de Guillan Barré e da Paralisia Cerebral. As manifestações podem envolver as funções motoras, sensoriais, mentais, de linguagem, entre outras. E o quadro desses acometimentos varia de paciente para paciente, tendo que considerar-se algumas variáveis como a extensão da lesão, o tipo de patologia, o tipo de tratamento, a idade do paciente, doenças relacionadas, ... A importância da fisioterapia nas doenças neurológicas vai muito além dos objetivos de prevenir complicações, de recuperar os movimentos comprometidos e manter a função respiratória adequada. Envolve paralelamente os objetivos psicossociais, atua diretamente na auto-estima do paciente, o fazendo perceber o quanto ainda é capaz e o quanto pode conquistar, independente da situação em que se encontra. Geralmente o fisioterapeuta acaba criando um forte vínculo com seus pacientes neurológicos. Pois o contato frequente na buscando da superação faz com que laços de amizade sejam criados. Fato que quase sempre ajuda no processo de recuperação. Se você tem alguém que possui alterações de origem neurológica, incentive-o a fazer fisioterapia, as conquistas diárias irão muito além dos movimentos corporais.

O cérebro é considerado o principal órgão do corpo humano e a central de comando de todo o sistema nervoso. Por sua complexidade, pouco ai...

5 doenças assustadoras que afetam o cérebro


O cérebro é considerado o principal órgão do corpo humano e a central de comando de todo o sistema nervoso. Por sua complexidade, pouco ainda se sabe sobre as reais capacidades e as infinitas possibilidades que ele esconde. Apesar das novas descobertas, dia após dia médicos e pesquisadores se veem diante de novidades, e alguns mistérios permanecem insolúveis. Um órgão tão complexo só poderia gerar patologias complexas. Algumas doenças relacionadas ao cérebro provocam sintomas curiosos, fazendo com que o portador da disfunção sofra alucinações ou disfunções assustadoras. Conheça algumas das raras doenças capazes de provocar no ser humano o pior dos pesadelos. Síndrome de Fregoli A Síndrome de Fregoli foi diagnosticada pela primeira vez em 1927, pelos médicos P. Courbon e G. Fail, e seu nome tem relação com o ator italiano Leopoldo Fregoli, conhecido à época pela sua habilidade de fazer rápidas mudanças de aparência em cena. Com características que incluem transtornos delirantes persistentes e esquizofrenias, o portador da síndrome tem a nítida sensação de que uma pessoa, geralmente familiar, o está perseguindo e repetidamente modifica a sua aparência para justificar o ato. Assim, o paciente pode imaginar que o médico, o porteiro do prédio ou o taxista são a mesma pessoa, apenas usando um disfarce para continuar a perseguição. A síndrome pode estar relacionada a uma lesão cerebral, mas também há casos de natureza paranoica. O tratamento é feito com medicamentos e, em geral, o portador pode apresentar outras patologias como depressão, psicose e esquizofrenia. Antipsicóticos, anticonvulsores e antidepressivos estão entre os tipos de remédios utilizados no processo de cura. Síndrome da Má Identificação Delirante Trata-se de uma síndrome causada por distúrbios neurológicos no lado direito do cérebro e que afeta a experiência de percepção da pessoa. Os portadores dessa patologia não conseguem reconhecer a própria imagem em um espelho, tendo ilusões de que o rosto que visualizam é o de outra pessoa. O distúrbio também vem acompanhado de outros sintomas que podem levar a mais patologias, como a esquizofrenia, por exemplo. O delírio é considerado monotemático, uma vez que as ilusões se resumem apenas à própria imagem e não a outras coisas. Acidente vascular, traumatismo crânio-encefálico e doenças neurológicas estão entre as principais causas dessa síndrome que, embora menos rara do que a Síndrome de Fregoli, também é pouco encontrada. Distúrbios nesse sentido já foram retratados no episódio “Heart of Glass” da série “CSI: Nova York” e no filme “O Olho do Mal”. Agnosia Visual Normalmente associada a danos cerebrais ou doenças neurológicas, a agnosia visual é a perda da capacidade de reconhecer pessoas, objetos sons e formas. O termo agnosia significa perda de conhecimento e é exatamente isso o que acontece com os portadores dessa patologia. Eles podem olhar para um objeto comum, como uma caneta, e não conseguir identificar o que é. A deficiência, em geral, está associada a danos cerebrais e doenças neurológicas na região do lobo temporal. O estresse é também uma das causas que ajudam a potencializar os sintomas dessa doença. Por se tratar de uma alteração intermediária entre a sensação e a percepção, os sentidos permanecem inalterados, sendo o problema pontual. Apesar de o distúrbio requerer tratamento e acompanhamento médico, a má notícia é que a agnosia visual é permanente e os portadores da patologia precisam aprender a conviver com ela para o resto da vida. Grosso modo, é como se você precisasse enfrentar a situação descrita no filme “Como Se Fosse a Primeira Vez” todos os dias. Prosopagnosia Conhecida popularmente como “cegueira das feições”, a prosopagnosia é uma doença rara e que afeta diretamente como a vítima vê os rostos de outras pessoas. Apesar do pequeno número de relatos, pesquisas recentes apontam que 1 em cada 50 pessoas sofre desse mal, ainda que em menor escala. Associada a lesões cerebrais ou doenças neurológicas, pouco se sabe sobre o mal e algumas hipóteses apontam até mesmo para hereditariedade. O portador dessa disfunção não consegue distinguir as feições de uma pessoa, como olhos, nariz e boca, vendo uma mancha única. Como o reconhecimento dos detalhes do rosto é parte importante no processo de formação da memória, a ausência deles pode causar sérios problemas de socialização para os portadores. Poucas terapias desenvolvidas para minimizar o problema foram bem-sucedidas. Somatoparafrenia A somatoparafrenia, assim como a Síndrome da Má Identificação Delirante, é uma disfunção monotemática, ou seja, isolada. O paciente acredita seriamente que uma das partes do seu corpo não faz parte do seu organismo. Assim, ele é capaz de se lesionar e até mesmo amputar um braço, apenas por achar que ele pertence à outra pessoa. Vítimas com essa síndrome têm danos em uma região do cérebro chamada homúnculo, uma espécie de mapa corporal. A região é responsável por “catalogar” todas as partes do seu corpo para que você possa manter o controle sobre cada uma delas. Apesar da disfunção, o paciente ainda consegue mover os membros normalmente, apenas não os reconhece como sendo parte de si. Um caso curioso relacionado à disfunção ocorreu em 1997. O cirurgião Robert Smith recebeu um pedido de um paciente para que amputasse uma das pernas, que a vítima acreditava não ser dela. Surpreendentemente o médico aceitou o pedido e, semanas depois, recebeu dezenas de outros do mundo todo solicitando que ele fizesse o mesmo em outras pessoas. ..... Assim como as doenças acima, existem muitas outras, em menor escala, capazes de provocar reações curiosas para quem observa. Embora os sintomas possam apresentar variações, a melhor maneira de descobrir qual é o problema é sempre consultando um médico especialziado, sem tentar se enquadrar em uma categoria ou outra por conta própria.

Faça Fisioterapia