Estagios do Alzheimer








Estágio inicial

Alzheimer é uma doença degenerativa e progressiva que atinge o cérebro resultando, inicialmente, na perda da memória.

Em seu estágio mais grave, a doença pode invalidar o paciente e levá-lo à morte. "A falta de informações sobre a Doença de Alzheimer (DA) e a dificuldade de reconhecê-la, tanto dos familiares, quanto dos médicos, é considerada a maior barreira para o diagnóstico precoce e o tratamento apropriado", alerta Juliana Yumi, assistente do Serviço de Geriatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Estima-se que existam em torno de 800 mil portadores de DA no Brasil. Aparece com maior frequência após os 65 anos de idade, mas também pode ter início precoce. A progressão da doença geralmente é lenta e na fase inicial pode passar despercebida ou algumas características podem ser confundidas com estresse, por exemplo. Isso ocorre porque nesse início o paciente apresenta leves alterações emocionais e de humor, perda de memória recente, dificuldade de adaptação a novas situações e dificuldades de linguagem.

Estágio moderado

Já no estágio moderado, o reconhecimento da doença torna-se mais fácil, pois os primeiros sintomas se acentuam e novos também surgem. "Os lapsos de memória que antes eram mais espaçados tornam-se permanentes, a fala é substituída por gemidos e gritos ou o portador simplesmente para de falar", explica Juliana Yumi. É neste momento que aparecem as dificuldades com os movimentos que o portador estava habituado a fazer, desde os mais simples como mastigar e engolir até habilidades específicas, como cozinhar. 

Nessa fase da doença, surge também a desorientação de tempo e espaço e as alterações de comportamento, a exemplo da agressividade. "Devido ao desequilíbrio e fraqueza que a doença causa as quedas se tornam frequentes, podendo levar o paciente ao uso de cadeira de rodas. Em alguns casos, o portador de Alzheimer também pode ter que utilizar frauda porque já não controla seu sistema urinário e fecal", complementa.

Estágio avançado

A evolução da Doença de Alzheimer para o seu estágio grave restringe o paciente ao leito, o torna incapaz de comunicar-se e alimentar-se, o que pode causar o óbito. "Além de reconhecer a doença, é importante ressaltar que certas ações, atreladas ao tratamento adequado, estimulam a independência do portador de DA e podem ajudá-lo a viver melhor", afirma.

É essencial que o paciente continue integrado, por isso vale a pena dividir tarefas fáceis com ele, manter uma rotina e utilizar uma agenda ou lembretes espalhados pela casa para orientá-lo. A adaptação da casa é imprescindível para uma convivência segura e confortável. A fim de evitar quedas e lesões, deve-se, por exemplo, retirar tapetes, inutilizar móveis com quinas e principalmente adequar o banheiro, considerado o cômodo mais perigoso da residência.

De acordo com a especialista, além do cuidador, principal responsável pelo paciente, todos os familiares devem se informar para que possam entender e aceitar as dificuldades dessa doença com paciência, afinal, o portador da DA precisa de constantes e crescentes cuidados e atenção de todos ao redor para que tenha qualidade de vida.



Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Exercícios Físicos no Controle da Dor
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.