Técnica altera sistema imune para acelerar regeneração de nervos danificados


>




Nervo criado por pesquisadores para estudar as células nervosas periféricas

Cientistas da Georgia Tech University, nos EUA, descobriram que modular a resposta do sistema imune a lesões pode acelerar a regeneração de nervos periféricos danificados.

Os resultados mostram que, ao alterar a atividade dos macrófagos, que respondem a lesões, os investigadores aumentaram dramaticamente a velocidade de recuperação dos nervos e eliminaram a necessidade de usar fatores de crescimento para promover o crescimento de axônios.

Se os resultados do estudo forem confirmados em seres humanos, a equipe acredita que isso poderia levar a uma nova estratégia para o tratamento de lesões de nervos periféricos que tipicamente resultam de traumas, cirurgias de tumores ou prostectomia radical.

"Tanto a formação de cicatrizes quanto a cura são resultados finais de duas cascatas diferentes de processos biológicos que resultam de lesão. Neste estudo, mostramos que através da manipulação do sistema imunitário logo após a lesão, isso pode influenciar o sistema para a cura, e estimular os mecanismos naturais de reparação do corpo", afirma o pesquisador Ravi Bellamkonda.

Além dos nervos, os investigadores acreditam que a técnica também pode ser aplicada para ajudar na regeneração de outros tecidos, tal como o osso.

Após lesão, os macrófagos, que se reúnem no local da lesão trabalham como o maestro de uma orquestra, controlando os processos que removem o tecido danificado, preparando o palco para a reparação e incentivando a substituição de células e materiais danificados. Convertendo os macrófagos a um fenótipo "pró-cura" que segrega compostos de cura ativa uma ampla gama de outros processos.

"Se realmente queremos mudar a atividade de gerar cicatrizes para a regeneração do tecido, precisamos atingir o 'maestro' e acreditamos que os macrófagos são capazes de serem os condutores da sinfonia de cura", observa o pesquisador Nassir Mokarram.

Os macrófagos são mais conhecidos por seu papel na criação de inflamação no local da lesão. Os macrófagos e outros componentes do sistema imunitário trabalham contra a infecção, removendo o tecido morto e muitas vezes criando cicatrizes que impedem a regeneração nervosa. No entanto, estes macrófagos podem existir em vários fenótipos diferentes, dependendo dos sinais que recebem. Entre os fenótipos dos macrófagos estão duas classes, M2a e M2C, que incentivam a cura.

Bellamkonda e seus colegas utilizaram uma citocina interleucina 4 (IL-4) para converter os macrófagos no modelo animal para fenótipos "pró-cura". Eles colocaram um gel que libera IL-4 em guias nervosas que ligam as extremidades dos nervos ciáticos de animais lesionados que tiveram a crescer através de uma abertura de 15 milímetros para se regenerar. A IL-4 manteve-se nas guias nervosas durante 24 horas ou menos, e não teve qualquer influência direta sobre o crescimento de tecido nervoso, nesse período de tempo curto.

Três semanas após a lesão, no entanto, as guias nervosas que libertavam IL-4 foram quase completamente cheias de axónios. As guias nervosas tratadas tinham cerca de 20 vezes mais regeneração do nervo do que os canais controle que não tinham macrófagos tratados com IL-4.

Agora, os pesquisadores estão realizando pesquisas para determinar como os macrófagos devem ser tratados logo após a lesão e a que concentração IL-4 seria mais eficaz.




Share on Google Plus

About Faça Fisioterapia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment