Implantes inteligentes devem aliviar doenças neurológicas








Implantes inteligentes no cérebro de pessoas com desordens neurológicas podem eventualmente ajudar a desenvolver tratamentos para pessoas com mal de Parkinson, depressão e transtorno obsessivo-compulsivo.

Na última semana, uma equipe de cientistas do laboratório Medtronic, em Minneapolis (EUA), divulgou o protótipo de um neuroestimulador durante um encontro da Sociedade de Engenharia em Medicina e Biologia, também em Minneapolis.


Neuroestimuladores já são aprovados para tratar condições como mal de Parkinson, tremores essenciais e distonia, assim como transtorno obsessivo-compulsivo. Mas os aparelhos existentes fazem a estimulação em um cronograma definido, não na resposta à atividade cerebral anormal.

Os pesquisadores da Medtronic acham que um dispositivo que reage aos sinais cerebrais pode se mais efetivo, com a bateria durando mais tempo um aspecto importante para implantes.

Tim Denison, engenheiro da Medtronic que trabalha no aparelho, disse que o neuroestimulador será usado, inicialmente, para o estudo de sinais cerebrais em pacientes durante as suas atividades cotidianas. Eventualmente, os dados coletados vão mostrar se os sensores podem ser usados para detectar e prevenir ataques.

Testes com humanos estão a anos de distância. Entretanto, a NeuroPace, uma empresa da Califórnia, está concluindo estudos clínicos usando implantes inteligentes RNS em 240 pessoas com epilepsia, cujos resultados serão publicados em dezembro, diz a diretora médica da NeuroPace. Um estudo preliminar, feito com um grupo de 65 pacientes, apontou que os dispositivos foram capazes de reduzir as convulsões.

O aparelho da NeuroPace é implantado dentro do crânio, no qual monitora a atividade elétrica por intermédio de eletrodos implantados nas profundezas do cérebro. Caso o implante reconheça uma convulsão, vai emitir uma estimulação elétrica breve e suave, a fim de suprimi-la.

Mark George, neurologista da Medical University of South Carolina, diz que estimuladores cardíacos são desenvolvidos a partir do mesmo princípio e que, a partir daí, os pesquisadores aprenderam a detectar e a reagir aos sinais do coração. "Acho que é absolutamente inevitável que desenvolvamos uma maneira mais esperta e mais inteligente para descobrir como e quando estimular [o cérebro]", diz George.

Fonte: Folha OnLine


  • EBOOK GRATUITO: Carreira em Fisioterapia Neurofuncional

  • Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Exercícios Físicos no Controle da Dor
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.